Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saber mais.

Entrevista com o Apostador Profissional Josué Ramos

Entrevista com o Apostador Profissional Josué Ramos

Nesta entrevista, Josuca fala sobre a sua trajetória, sobre a sua paragem, sobre as dificuldades de trabalhar com pouco e muito dinheiro, sobre os seus livros e ainda dá dicas quentes para quem procura alcançar o sucesso nas apostas desportivas.

por Academia   |   comentários 0

Escrever uma matéria sobre uma trajetória vencedora, cheia de reviravoltas é sempre emocionante, mas quando conhecemos a pessoa envolvida e tivemos o prazer de acompanhar de perto toda a história, essa emoção torna-se indescritível.

Talvez muitos que estão a entrar no universo do trading ou do punting não conheçam a figura citada, mas com toda certeza não existe uma pessoa no meio ao STAFF das Apostas desportivas que não ouviu falar de Josué Ramos.

IMG_20191008_142817-01-01


Hoje parceiro da Academia das Apostas, da Betfair, entre outras empresas, investidor, empresário, Psicólogo e escritor, Josué mantém uma carreira promissora em vários nichos do seguimento das apostas desportivas, desde as apostas de fato, até a área de marketing e planeamento. Além de tudo que foi mencionado, exerce hoje o cargo de diretor na ABAESP (Associação Brasileira de Apostas Esportivas).

A sua trajetória nas Apostas Esportivas começa em 2010 após sofrer um acidente de carro e ficar de cadeira de rodas. No seu inicio teve muito trabalho e dificuldade, pois não tinha recursos suficientes para se manter, e chegou a passar fome nessa fase. Teve pouco apoio de pessoas próximas e vindo de uma família pobre, não tinha recursos para investir nas apostas esportivas e teve que fazer muitos sacrifícios até chegar ao nível de banca que detém atualmente.

Se não bastasse a falta de dinheiro, a ansiedade e a depressão foram outros obstáculos mais densos que teve que enfrentar. Em 2014 ainda foi internado de urgência com uma grave pancreatite e ficou por mais de 3 meses internado em estado grave. O detalhe é que atribuíram a pancreatite aos altos índices de estresse que ele sofria.

Mesmo com dificuldades, o seu trabalho foi reconhecido em fóruns internacionais e ofertas de trabalho não pararam de aparecer. Com foco total em aumentar a sua própria banca, os sacrifícios obrigaram Josuca a evitar saques, o que acabava por obrigá-lo a procurar outros meios de obter uma remuneração. Assim ele tornou-se tipster, sendo encontrado por um investidor em meados de 2012. A sua carreira como tipster decolou, chegou a trabalhar com grupo de investidores de renome (sindicatos) e aposentou-se da área de tipster em 2018 após um ano de lucros absurdos.

A sua carreira avançou na área de conteúdo com parcerias com empresas enormes do ramo, como Racing.UK, SBC, Betadvisor, Tipstersplace e posteriormente com sites brasileiros, como Aposta 10, Apostas FC, até fechar uma parceria duradoura e de sucesso com o grupo português Lean Waves, conhecido pela rede de sites Academia das Apostas e posterior com a Betfair. Hoje trabalha também na área de marketing voltada para casas de apostas e empresas do ramo, além de ser um apostador extremamente agressivo e um investidor visionário.

E é exatamente sobre sua carreira como apostador que iremos adentrar, mas para isso, nada melhor que o próprio Josuca comente sobre. E detalhe, essa entrevista foi feita através de conversação e durou horas, mas acredito que o que estarão lendo aqui, é algo que irá agregar muito na vida de qualquer pessoa que almeje o profissionalismo nas apostas desportivas.
 
Entrevista (em português do Brasil):
 

Como as apostas entraram na sua vida?

Vou resumir isso da melhor maneira possível. Sofri um acidente, achei que nunca mais iria andar, resolvi fazer algo que gostava (que não era apostar), era escrever no caso. Assim, tentei ser escritor, mas precisava de uma renda para me manter, enquanto tentava escrever algo. Então um dia o Júnior Rodriguês me apresentou as apostas esportivas e desde aquele dia fatídico, em 2010, sigo nesse mercado.
 

As apostas esportivas são sua única fonte renda? Se não, quais as outras fontes?

As apostas não são a minha única fonte de renda, mas são a fonte principal, entretanto é a fonte mais instável. As outras fontes surgem nas parcerias com várias empresas do ramo, coordenando equipes, trabalhando no marketing, trabalhando em conteúdos, etc...
 

Você é trader ou punter?

Comecei como punter, vi que não ganharia tanto dinheiro daquela forma, pela matemática estar contra o apostador. Assim me tornei trader ainda em 2010, fiz uma boa banca dessa forma, ai retornei ao mercado punter e até hoje pratico ambos estilos.
 

Quais são os seus mercados de atuação?

Futebol e corrida de cavalos, mas atuo um pouco na NBA e NFL. Descobri nesses anos que o live (ao vivo) é onde se ganha dinheiro de verdade. Então, quanto mais mercados eu conseguir abranger, mais lucratividade consigo extrair.
 

Quais foram as maiores dificuldades que você teve no inicio da sua carreira?

Com toda certeza a falta de dinheiro, a depressão, a ansiedade e a facada mortal, que é a falta de apoio e a solidão. Mas não se enganem como eu me enganei. Achei que se tivesse sucesso um dia, aquilo tudo iria acabar. E uma coisa que aprendi, é que o topo também é solitário. Ter sucesso em algo exige sacrifícios. No meu caso fiquei muito tempo sozinho, como se minha companhia bastasse, e a solitude é perigosa, lhe torna egocêntrico, traz manias à tona, a sua essência é modificada, pois ela se mantém na presença de humanidade e na falta, você muda. Eu tive que quase morrer em um hospital para entender isso. E o processo de mudança foi difícil, pois você precisa se readaptar a deixar que as pessoas entrem na sua vida.  
 

Você já sofreu algum preconceito em relação as suas atividades?

Sim, claro, todos os dias. Sempre surge um boato diferente. Já disseram que eu era agiota, traficante. Me compararam com um viciado. Dizem que eu não trabalho, menosprezam o que eu faço. Todo dia eu lido com alguém tentando rebaixar meu ofício. Ou seja, não basta ter nascido feio, ainda tenho que lidar com as outras pessoas inventando histórias sobre a minha vida, sem nem ao menos me conhecer. Mas confesso que é divertido rir dessas ladainhas. Geralmente quando me perguntam o que faço da vida, falo de todas as outras atividades, evito falar de apostas. Dá muito trabalho explicar.
 

Nesse meio das apostas esportivas você é uma figura polêmica, você tem algo a dizer sobre isso?

Eu não me vendo, sou honesto, não sou adepto de espalhar mentiras ou de compactuar com inverdades. Muitas figuras desse meio não são o que dizem ser, e quando falam, fica nítido para quem é do ramo que se trata de charlatões. Sempre bati de frente com essas figuras e sempre fui sincero com o público que me ouvia. Cansei de comprar brigas online, tentando explicar conceitos para quem não quer ouvir. Não vale a pena se estressar com isso.
 

Você se aposentou em 2018 do mercado de tipster, por qual motivo?

A maioria não sabe, mas o mercado de tipster é muito disputado, existe muita pressão. Tive altos e baixos nesse mercado, e planejei alcançar uma quantia financeira que me desse base para me tornar um investidor. Ou seja, para que eu tivesse tipsters girando o dinheiro investido. Meu plano findava em 2020, entretanto, consegui quebrar alguns recordes em 2018, tive milhões de Euros em lucratividade para um grupo específico de investidores, consegui um ótimo retorno e consegui passar da meta financeira que eu tinha estipulado em 2017, em apenas 2 anos, sendo que a programação era de 4 temporadas.

Isso me fez decidir por me desligar desse mercado e focar em outros trabalhos, focar nos meus livros, e focar principalmente na minha vida pessoal. Não se enganem, para você obter algum tipo de retorno considerável é preciso fazer sacrifícios, acabei por fazer sacrifícios demais já, precisa voltar a viver um pouco.
 

Só em 2018 você teve um lucro de milhões, somando todos os anos como apostador, podemos dizer que você é um milionário das apostas esportivas?

Isso é relativo. Dinheiro de investimento não é patrimônio. E uma coisa que todos precisam entender, é o fato de quando você é um investidor, você tem uma vida financeira instável. Assim você precisa criar uma estabilidade. O maior erro cometido por quem ganhou uma alta quantia, é pensar que o dinheiro é infinito. O dinheiro não deve ser tratado como algo a se gastar, o dinheiro sempre deve ser empregado em algo que possa lhe garantir algum retorno mais estável.

Primeiro passo é evitar tudo que é superficial, aprendi isso com alguém aqui da Academia, o Pedro Sardinha, um multi-empresário que sabe exatamente o valor do dinheiro.

Eu prefiro sempre estar a criar novos investimentos. Nesse conceito a ideia é fazer sempre o dinheiro estar trabalhando para mim, ao invés do contrário. Nem que o retorno seja pouco, ou seja demorado, pois será um retorno possível de se manter estável. Além disso, regra básica, não coloque todos os ovos no mesmo cesto, sempre tenha outras fontes de renda, nem que essas outras fontes rendam pouco, a lei dos pequenos números irá trabalhar ao seu favor.

Além disso, o universo dos investimentos é cheio de surpresas, de altos e baixos. As vezes perco muito, as vezes ganho, mas é algo que funciona assim e é preciso manter uma saúde na gestão dessas aplicações, para que você tenha margem de erro. O exemplo básico, é você ter um milhão, achar um investimento inicial de um milhão e achar que pode investir nisso. Sendo que é apenas um investimento inicial, provavelmente você irá gastar muito mais até conseguir extrair lucratividade. Aprendi isso da pior forma, quebrando a cara.

A minha ideia não é ser rico, nem sei o que isso quer dizer de fato, é apenas manter uma estabilidade adequada com as minhas condições de vida e ir aumentando isso gradativamente, sem deixar de ajudar as pessoas que estão na minha volta. Até pelo fato que as coisas mais importantes da vida não estão ligadas a nada financeiro.
 

Você sempre fala que é diferente ser um tipster e ter sua própria banca, quais são essas diferenças?

Como tipster a pressão é diferente. Você tem regras para trabalhar, que não são suas, é exigida uma adaptação, você respeita uma hierarquia, você tem alguém que te dá suporte e você tem uma distância emocional em relação ao dinheiro, por mais que não perceba isso. A forma de gerir é completamente diferente.

Com uma banca própria você tem um comprometimento psicológico e emocional absurdo. Suas perdas são extremamente dolorosas. Você é muito afetado pela fase que vive. Você entende que se colocar os pés pelas mãos o dinheiro que está nessa reta é seu. A gestão passa por manter um volume absurdo de apostas, pois não vamos ter o mesmo aporte financeiro de um sindicato de vários bilionários. As coisas são muito mais complicadas. Pega e tenta crescer uma banca, projetar um crescimento, fazer sacrifícios para manter essa banca crescendo. É muito complicado.

E mesmo você passando de milhão em banca, irá perceber que a matemática ainda está contra você e isso te obriga a ser mais agressivo, extrair o máximo de valor quando encontrar essa discrepância. Não é nada fácil esse aprendizado. Os Tipsters em sua maioria gostam do pré-evento, apostam early, competições pequenas. Dessa forma é muito difícil fazer dinheiro de verdade. Larga um tipster desses do earlybet no mercado ao vivo para trabalhar volume de apostas, ele vai ter a barreira de +90% em EV nulo, vai ter poucos padrões lucrativos para trabalhar, terá tubarões ajustando o mercado. Longo prazo não será fácil ter lucratividade. Falo isso por experiência própria, quando fiz a transição do pré-evento para o live. É absurda a diferença.

 

Você é hoje um dos maiores especialistas punter/trader do mercado ao vivo, pode falar um pouco sobre as particularidades desse mercado?

O engraçado, é quando comecei a trabalhar com esse grupo de investidores ao qual me referi, ninguém operava ao vivo em foco, fui pioneiro com eles. Agora, não existe isso de diferenças entre punters e traders, a questão matemática é a mesma. O desajuste. As diferenças estão na exposição ao risco, ou seja, a forma como trabalhamos o risco. Essa diferença é apenas entre traders e punters, mas o live, o mercado ao vivo, ele tem particularidades como o mercado eficiente, que vai sempre ajustar rapidamente qualquer desajuste (valor), temos o efeito manada, temos +90% do tempo em EV nulo, ou seja muitas coisas contra o apostador, o lado positivo é que também temos um trunfo, o controle de algo que “dá vida” para as probabilidades e para as apostas, o controle da informação.

Dessa forma precisamos entender que durante o jogo ao vivo, não estamos ali para efetuar apostas que andem de acordo com o que acreditamos para o jogo, estamos ali para aplicar uma estratégia de controle de informações. Informações se resumem em probabilidades, cotações, odds, precisamos estar sempre no controle. Isso nos faz criar uma estratégia para abordar um jogo. Assim em cada cenário previamente previsto, de acordo com os padrões que o live nos mostra, nós agimos de certa forma já previamente estipulada, dentro de um estudo longo prazo que comprove que aquele movimento é lucrativo. E assim descobrimos o segredo das apostas esportivas. Isso indiferente se você é punter ou trader, você busca um desajuste da mesma forma, logo a matemática é a mesma, mas muitos nem percebem isso.

A grande sacada é a agressividade, não saímos do lugar sem ela, mas também não se pode confundir ser agressivo, com ser idiota.
 

Você é um dos maiores especialistas em corrida de cavalos do mundo, com uma lucratividade superior a de grandes nomes do meio, como Hugh Taylor, pode falar um pouco sobre as temporadas passadas e a atual?

 O Hugh Taylor é um monstro nesse meio. Minhas temporadas passadas foram excelentes, tive em 2018 mais de 250 unidades de lucro, mas 2019 está sendo terrível, é o pior ano que já enfrentei. Ainda estou tentando adequar padrões antigos a novas condições dos percursos, acredito que em algum momento vou conseguir me adaptar, mas está sendo complicado esse ajuste, mas acredito conseguir ajustar até Dezembro. É um prazo que me dei para estudar todos os novos padrões encontrados, pois as cotações estão cada vez mais niveladas, mostra que os oddmakers nessa área aprenderam algo. Nada que eu não consiga dar a volta.
 

Como está a sua temporada no futebol?

A temporada se mantém bem estável, boa lucratividade e ótimo volume transacionado. É a primeira vez que ao mesmo tempo sou investidor e controlo o trabalho de alguns tipsters, e está sendo muito gratificante. Ótima equipe.
 

Como está o processo do seu livro?

Estou me dedicando ao máximo para cumprir prazos. O conteúdo está excelente e com ótima didática. Todas as teorias já aparecem nesse primeiro volume, consegui encaixar tudo como em um quebra-cabeças, acredito que as pessoas irão gostar, pois será soco na cara atrás de soco na cara e vários segredos revelados sobre como lucrar.
 

Você tem planos para um curso?

Claro. Acredito que a didática vai ficar bem fluída. Minha experiência dentro da psicologia pode acabar contribuindo para isso. Mas o principal é que vou ensinar estratégias, algo que eu gosto. Estou bastante entusiasmado com isso.
 

Como você consegue trabalhar em tantos projetos ao mesmo tempo?

Não consigo. Por isso atraso tudo. Sou bem organizado, mas dou prioridade para algumas coisas e tenho um tempo definido para cumprir a execução, mas acabo sempre me enrolando, é um dom que eu tenho, atrasar tudo.
 

Acredita que por conta de estudar psicologia isso lhe deu alguma vantagem nesse mercado?

Não sei se me deu alguma vantagem, mas me ajudou muito a compreender conceitos sobre a tomada de decisão e sobre o nosso envolvimento emocional com essas decisões. Além de me ajudar muito no desenvolvimento de algumas teorias.
 

O que é mais difícil, trabalhar com muito ou pouco dinheiro?

Das duas formas teremos dificuldades enormes pela frente. E uma coisa que muitos falam, é que não muda nada a quantia de dinheiro, você faz o mesmo lucro em critério de ROI com pouco ou muito dinheiro. Lhes digo que estão errados. Muda tudo. Trabalhar High Stakes requer um controle absurdo da informação, do seu lado emocional, e também do “TIME” referente ao tempo da entrada. É complicado, mas quanto mais dinheiro, maiores as complicações. O problema de ter pouco dinheiro, é você acabar cedendo para o imediatismo, para a ansiedade.
 

Você também joga poker, pretende seguir alguma carreira nessa área?

Tenho me dedicado para evoluir cada vez mais em competições live, como não sou profissional da área, posso me dedicar apenas a eventos ao vivo, apesar de terem muitos gastos com hospedagem, deslocamento. Jogo poker por ser uma paixão pra mim, e só, mas não pensem que por conta disso não existe técnica ou muito estudo por trás, sou investidor, é critério de sobrevivência ter retorno em todos os investimentos que faço.
 

Você já disse algumas vezes, que os maiores apostadores quase ninguém conhece, isso confere?

Sim. Por qual motivo alguém que tenha grandes retornos apostando iria querer aparecer? A não ser que precise ter mais renda, correto? No meu caso por exemplo, venho de uma vida difícil e tive que me virar de várias formas, e só por isso tenho essa exposição, do contrário, ninguém nunca ia saber da minha existência. Esses dias fui jantar com um dos maiores apostadores do Brasil em critérios de lucratividade, o “A” não vou dizer o nome dele, pois ele não gosta de exposição. O cara é gente boa pra caramba, reservou só pra nós a área vip de um restaurante de renome para que pudéssemos apostar e comer sossegados. Além de brilhante em suas colocações, ele deve ter apostado uma pequena fortuna enquanto jantávamos, os amigos dele que queriam apostar e ficavam mandando mensagens para ele, devem ter apostado um balaio também. O que quero dizer, é que a maioria desses apostadores o grande público não irá conhecer. E são pessoas interessantíssimas e com uma bagagem de conhecimento absurdo.
 

Onde as pessoas podem encontrar o seu trabalho e entrar em contato contigo?

Pela Academia das Apostas Brasil, através de artigos, de lives, de vídeos. Nos canais no youtube, na Betfair, no blog que a Betfair detém, no canal do youtube da Betfair não oficial, na Melsports. No meu telegram, no telegram da Academia, no instagram. E futuramente terei algumas lives por semana falando sobre apostas, mas antes de retornar para a vida das lives, eu preciso terminar meu livro.
 

E como é a sua vida pessoal? Segue a receita de ostentação de algumas outras figuras do meio?

Odeio ostentação. Não tem nada a ver comigo. Já fiquei “puto” com o primeiro título que você deu para a matéria, mas não vou me intrometer no seu trabalho em otimizar o SEO (risos). Eu gosto de acampar, de ver um céu estrelado, de sair com meu cachorro, de assar uns marshmallow’s na fogueira, de pegar a estrada, tomar banho de cachoeira, ver um bom filme, tudo isso é barato. Só vou em festas se tiver meus amigos juntos. Levo uma vida bem tranquila. A vida é de graça, mas tem gente que gosta de pagar para viver, prefiro ficar longe de pessoas assim.
 

Você tem projetos pessoais para o futuro?

Tenho algumas coisas em mente, fora o que já mencionei sobre as apostas, algo em relação a livros e cursos, eu tenho a questão social em relação a psicologia, onde pretendo lançar alguns projetos no futuro, voltado para crianças e adolescentes, mas é algo que preciso organizar muito bem antes de por em funcionamento. Hoje participo de algumas coisas, mas não estou envolvido como queria estar.
 

Pode me dizer ao menos 3 segredos vitais nas apostas esportivas?

 Claro. Agressividade, controle da informação e controle de risco.
 

Se você fosse dar dicas focadas no trading esportivo, quais seriam?

Controle de exposição, momento certo da entrada, perceber desajustes com base em padrões, delinear uma estratégia de ação de acordo com cenários possíveis.
 

Você acredita na existência de um segredo fundamental para ser obter sucesso nas apostas esportivas?

Acredito que sim. Eu diria que é o PERFIL. Você saber exatamente quem é. Você se conhecer. Pois apenas depois que souber os seus limites, suas reações, que você poderá organizar regras, definir condutas e definir estratégias mais agressivas. Se você não souber como será sua reação, pode acabar como muitos acabam, perdendo tudo. O lado emocional e psicológico é o mais importante e você tem que se conhecer para poder dosar sua impulsividade. Nenhuma pessoa é igual a outra, o que serve para mim, não servirá para você e infelizmente funciona assim. Por isso alguns obtém sucesso e outros não. Não adianta focar no Mindset e não saber quem você é. Outra coisa engraçada, o Mindset usado dentro do senso comum, me parece um desastre. Vejo muitas pessoas falando sobre. O universo dos coachings absorveram isso. O maior problema é que não entendem de fato como funciona. Temos várias linhas dentro da psicologia e em todas percebemos que o processo de mudança é duro. Me preocupo demais com isso. Vejo que as pessoas buscam o sucesso em uma era de imediatismo. Hoje em dia essa busca pela glória me parece uma seita, onde todos repetem aquilo que quem alcançou sucesso, vos fala. E ignoram alguns pontos chave, como olhar para os erros cometidos por quem não alcançou aquilo que era almejado, lembrando que o fracasso é apenas um estado transitório. Mesmo assim, e se alcançarem o que almejam e isso não fizer essas pessoas felizes? Saiba escolher suas batalhas.

Acredito que as pessoas deveriam buscar a felicidade, organizar sua mente para executar um bom trabalho seja lá o que for, e manter um equilíbrio em suas vidas. Acredito que esse tal sucesso venha desse equilíbrio, dessa soma, mas ainda digo, que é necessário se conhecer para poder se reconstruir.
 

Quais dicas você daria para alguém que está começando agora nas apostas esportivas e leu essa matéria?

Esqueça todos que lhe disserem que esse mercado é fácil. Aprenda sobre o seu perfil de apostador, entenda seus limites emocionais e psicológicos, para poder evoluir. Aprenda a ser agressivo, a agressividade é vital para você crescer. Aprenda a identificar valor simplificando a leitura em padrões. Saiba diferenciar o que é EV Nulo do resto, pois quando não existir EV nulo na parada, terá valor em algum lado da linha.

Entenda que gestão de Banca é feita para você não quebrar, não é feita para você lucrar (eu ouvi isso da boca de um grande apostador, e é impossível não concordar com ele). Assim você precisa montar uma gestão mais agressiva de acordo com o seu perfil, se não, você não sairá do lugar. Quando me refiro a gestão, falo num todo, até mesmo a sua estratégia precisa ser agressiva. Crie regras de conduta em relação aos seus investimentos. Crie objetivos e não foque em ter metas. Lembre que o volume de dinheiro precisa ser sempre otimizado, ou seja, você deve girar o máximo de dinheiro possível, da forma mais controlada possível, isso quer dizer que, você precisa apelar para um bom volume de apostas. Essa ideia se encontra dentro de uma teoria de otimização de recursos.

Bom, acredito que se conseguir entender o que foi dito, estará no caminho certo.



Reviews das Principais Casas de Apostas

, , ,

Partilhar "Entrevista com o Apostador Profissional Josué Ramos" via: